GASTRONOMIA DE PORTUGAL

Receitas, História e Eventos!

As Alergias Alimentares mais comuns na infância!

As alergias alimentares são mais comuns em crianças do que nos adultos. Conheça as alergias alimentares mais comuns na infância.

As alergias alimentares são uma situação clínica cada vez mais comum, nomeadamente em crianças. Pensa-se que pelo menos 5 em cada 100 crianças sofram de alergia alimentar, e que nos adultos a prevalência seja mais baixa, entre 3 a 4% (1, 2). Neste artigo irá conhecer as alergias alimentares mais comuns na infância e que alimentos se deve evitar.

O QUE SÃO ALERGIAS ALIMENTARES?

Na presença de uma alergia alimentar quando o sistema imunológico reconhece erradamente um alimento como uma entidade agressora ao organismo. A parte constituinte desse alimento responsável pela reação alérgica denomina-se de alergénio.

ALERGIA ALIMENTAR E INTOLERÂNCIA ALIMENTAR

Como já referido, quando se fala de alergia alimentar, ocorre envolvimento do sistema imunitário na presença do alergénio, desencadeando uma reação mais generalizada.

Na intolerância alimentar, ao contrário da alergia alimentar, não ocorre o envolvimento do sistema imunitário, verificando-se apenas uma incapacidade do organismo digerir um componente alimentar, como é exemplo a lactose (açúcar do leite) resultando essencialmente em consequências no trato gastrointestinal, nomeadamente cólicas e diarreias (1, 2).

Os casos de intolerância alimentar são muito mais frequentes enquanto que as alergias alimentares são um problema que ocorre com menor frequência, embora com um aumento acentuado na última década.

SINTOMAS MAIS COMUNS DAS ALERGIAS ALIMENTARES

Clinicamente uma alergia alimentar pode manifestar-se de forma moderada a grave, podendo causar dificuldade respiratória, perda de consciência e podendo ser potencialmente fatais (anafilaxia).

Os sintomas surgem rapidamente, entre alguns minutos até duas horas após a ingestão do alergénio (2), e podem envolver vários sistemas, originando manifestações cutâneas, respiratórias, gastrointestinais e cardiovasculares. Estas manifestações podem ocorrer de forma isolada ou combinada.

Estes as manifestações mais comuns destacam-se (2):

  • Dificuldade respiratória e pieira
  • Erupções cutâneas, urticária, edema da glote e da língua e “formigueiro” na boca
  • Vómito, dores abdominais e diarreia
  • Diminuição da pressão arterial e perda de consciência.

Como referido anteriormente, a reação alérgica mais grave é a anafilaxia – reação alérgica generalizada com múltiplos sintomas e potencialmente fatal quando não tartada convenientemente.

O tratamento da anafilaxia passa pela administração imediata de adrenalina, geralmente administrada através de um autoinjetor, sendo prudente recorrer a um local de prestação de cuidados de saúde urgentes mesmo que a situação fique controlada com a administração de adrenalina (2).

As alergias que mais comummente se associam à anafilaxia são ao leite de vaca, ovo, peixe, amendoim e frutos de casca rija e marisco (2).

AS ALERGIAS ALIMENTARES MAIS COMUNS NA INFÂNCIA

Uma vez que que o tratamento das alergias passa pela evicção do antigénio proveniente dos alimentos que desencadeia a reação alérgica, em baixo poderá saber quais as alergias alimentares mais comuns na infância e que alimentos deve excluir do padrão alimentar da criança caso apresente alguma destas alergias.

Note que deverá ter em atenção a presença de vestígios deste alimento por contaminação cruzada no manuseamento, preparação e armazenamento dos alimentos (1). É importante estar atento para as designações de alergénios nos rótulos dos produtos alimentares.

Leite

Leite indicado para crianças: leite gordo ou meio-gordo

A alergia às proteínas do leite de vaca é a alergia alimentar mais frequente nos primeiros anos de vida de uma criança e resulta de uma resposta do sistema imunológico ao alergénio (proteínas existentes no leite de vaca). Esta alergia  pode ser transitória, sendo que num limitado número de casos pode persistir para o resto da vida.  Quando diagnosticada esta alergi,a é importante excluir da alimentação da criança alguns alimentos, tais como (2): 

  • Leite de vaca, cabra, ovelha
  • Leite condensado, evaporado, desnatado e em pó
  • Iogurtes, queijo curado, requeijão, queijo fresco, manteiga, natas, papas lácteas para crianças

Deve ainda evitar preparações culinárias e alimentos processados que apresentem na sua constituição leite, manteiga, queijo, iogurte, natas ou molho bechamel.

Ingredientes na rotulagem alimentar aos quais deve estar atento (2):O

  • Leite evaporado, desnatado e em pó
  • Soro, soro de leite, caseína, hidrolisado de caseína, caseinato, coalho de caseína
  • Lactoalbumina,fosfato de lactalbumina, lactoglobulina
  • Lactulose, lactose
  • Lactato de sódio/cálcio
  • Aroma artificial a manteiga, gordura de manteiga, óleo de manteiga

Ovo

Alergia ao ovo: riscos e cuidados a que deve estar atento

A alergia ao ovo é uma das alergias alimentares mais comuns na infância, perdendo apenas para a alergia ao leite. Por outro lado, esta alergia alimentar é rara em adultos. A maioria das crianças com alergia ao ovo acaba por perdê-la com o decorrer do seu desenvolvimento.

A alergia ao ovo está frequentemente associada às proteínas da clara do ovo, embora alguns indivíduos possam apresentar alergia para a gema do ovo. No entanto, qualquer pessoa diagnosticada com alergia às proteínas da clara de ovo ou da gema deve evitar completamente o consumo de ovos, uma vez que não é possível separar completamente as proteínas da clara das proteínas da gema, devido à contaminação por contacto (3). Assim, deverá excluir da alimentação da criança ovos de qualquer tipo de ave, assim como derivados destes, tais como (2):

  • Claras de ovo pasteurizadas
  • Gema de ovo pasteurizado
  • Ovo pasteurizado
  • Ovo em pó
  • Albumina em pó

Ingredientes na rotulagem alimentar aos quais deve estar atento (2):

  • Ovo em pó desidratado
  • Albumina
  • Lisozima
  • Lecitina de ovo
  • Apovitelin, aitelina, avidina, flavoproteína, globulina, livetina;, ovoalbumina, ovoglobulina, ovoglicoproteína, ovomucina, ovomucóide

Deve ainda evitar produtos que contenham na sua constituição ovo ou um ou mais derivados deste.

Amendoim

Alergia ao amendoim: riscos e cuidados a que deve estar atento

A alergia ao amendoim é uma das alergias alimentares mais comuns e, como tal, é necessária precaução nas escolhas alimentares. A ingestão de uma pequena quantidade de amendoim pode causar uma reação alérgica e por esta razão é importante a leitura atenta dos rótulos alimentares, nomeadamente da indicação de alergénio (1). 

Assim, é recomendado a evicção da alimentação da criança do amendoim e de todos os produtos que apresentem na sua constituição amendoim como (4):

  • Óleo de amendoim
  • Creme (manteiga) de amendoim
  • Hidrolisado de proteína de amendoim
  • Farinha de amendoim.

Todos os produtos alimentares que apresentem na sua composição os alimentos citados acima, como bolachas, rebuçados, gelados, muesli e produtos de pastelaria ou confeitaria não devem ser igualmente consumidos.

Peixe

Dieta para a gastroenterite: em que consiste e o que precisa de saber

O peixe é uma excelente forma de fornecer proteína de alto valor biológico às crianças. No entanto, algumas crianças podem apresentar alergia, uma vez que são das alergias alimentares mais comuns na infância. Para a gestão desta alergia não deve oferecer à criança os seguintes peixes (2):

  • Peixes brancos: pescada, linguado, galo, nero, cherne, corvina, garoupa
  • Peixes azuis: atum, sardinha, truta, salmão, arenque, cavale, enguia

Deve ainda evitar as preparações culinárias e alimentos processados que possam conter algum doas peixes indicados, como por exemplo peixe enlatado. Nos rótulos alimentares deverá estar à presença de farinha de peixe ou parvalbumina nos ingredientes (2).

Muitas das vezes a reação alérgica ao peixe pode ser confundida com outra reação provocada por bactérias, vírus ou parasitas que possam estar hospedados no peixe.

Marisco

Recheio de sapateira: 5 sugestões muito simples e saborosas

No grupo da alergia ao marisco englobamos também os crustáceos e os moluscos, e fazem parte da lista de alergias alimentares mais comuns na infância, e uma das mais frequentes em adultos. Em caso de situação alérgica, deve excluir da alimentação da criança os seguintes alimentos (2):

  • Caranguejo, lagosta, camarão, mexilhão, ostras, ameijoas
  • Lulas, polvo e chocos

Deve ainda excluir da alimentação da criança produtos processados ou preparações culinárias que contenham na sua constituição marisco ou caldos/molho de marisco (2).

À semelhança do peixe, esta reação alérgica pode ser confundida com outra reação provocada por bactérias, vírus ou parasitas que possam estar hospedados no marisco.

Trigo

pao trigo sarraceno

O trigo é um dos cereais mais consumidos em todo mundo, seguindo-se o arroz e o milho.  O contacto com farinha de trigo, quer por via inalatória quer por via digestiva, tem a capacidade de desencadear sintomas reprodutíveis que desaparecem quando se cumprem medidas de evicção (5).  Assim, alimentos que apresentem na sua constituição trigo e que deve excluir (2):

  • Esparguete e massas com farinha de trigo
  • Couscous
  • Farinha de trigo, farinhas de trigo para uso culinário produtos de pastelaria e padaria (bolos, pastéis, biscoitos, bolachas), tipos de pão ou broa que incluam farinha de trigo, tostas, flocos de cereais
  • Gelados com bolachas ou biscoitos
  • Papas lácteas e não lácteas com trigo
  • Sopas pré-confecionadas, molhos
  • Seitan

Deve ainda estar atento aos rótulos dos produtos alimentares, nomeadamente aos seguintes ingredientes: Sêmola de trigo, semolina, farelo, gérmen, glúten, malte e amido de trigo, hidrolisado de farelo de trigo (2).

Deve ainda evitar produtos processados ou preparações culinárias que contenham na sua constituição trigo ou um ou mais derivados deste.

Soja

dieta sirfood alimentos indicados

A soja é uma leguminosa usada amplamente como substituto da proteína animal em pessoas com regimes alimentares baseados em produtos vegetais.

Para desencadear uma reação alérgica à soja basta ingerir uma pequena quantidade de soja e é mais comum em bebés e crianças do que em adolescentes e adultos, apesar de se poder desenvolver em qualquer idade. Assim, de forma a evitar uma reação é indicado que retire da alimentação da criança os seguintes alimentos, assim como os alimentos que os apresentem na sua constituição (2):

  • Soja, feijão de soja, rebentos de soja
  • Tofu, molho de soja, molho shoyu, miso
  • Farinha de soja
  • Rebentos de soja, óleo de soja
  • Iogurtes e bebidas de soja

Deve ainda estar atento aos seguintes ingredientes na rotulagem alimentar: lecitina de soja (E322), hidrolisado de proteínas vegetais e fibra de soja (2).

Os alimentos citados ao longo de todo o texto estão associados às alergias alimentares mais comuns na infância.  Caso detete alguma reação adversa na criança após a ingestão destes alimentos, e de outros, deverá procurar um serviço de saúde para a gestão da situação. 

FONTES:

  1. Direção Geral da Saúde. (2016). Alergia alimentar na restauração. Disponível em: https://www.alimentacaosaudavel.dgs.pt/activeapp/wp-content/files_mf/1464873118AlergiaAlimentarnaRestaurac%CC%A7a%CC%83o.pdf
  2. Ministério da Educação e Ciência. (2012). Alergia Alimentar. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Esaude/referencial_alergias_alimentares.pdf
  3. American College of Alergy, Asthma e Immunology. (2019). Egg Allergy.  Disponível em: https://acaai.org/allergies/types-allergies/food-allergy/types-food-allergy/egg-allergy
  4. FARE. Peanut allergy. Disponível em: https://www.foodallergy.org/common-allergens/peanut-allergy
  5. Teresa Silva, A et al. (2005). Hipersensibilidade ao trigo: formas de apresentação e proteínas alergénicas. Disponível em: https://www.spaic.pt/client_files/rpia_artigos/hipersensibilidade-ao-trigo:-formas-de-apresentacao-e-proteinas-alergenicas.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *